Evangelho Comentado do Dia 31/01/2017 terça-feira

4ª Semana do Tempo Comum - 4ª Semana do Saltério
Memória: SÃO JOÃO BOSCO - Presbítero
Prefácio comum ou dos pastores - Ofício da memória
Cor: Branco - Ano “A” Mateus

Antífona: Marcos 10,14 Deixai vir a mim os pequeninos e não os impeçais, diz o Senhor. O reino do céu pertence aos que se parecem com eles.

Oração do Dia: Ó Deus, que suscitastes São João Bosco para educar e pai dos adolescentes, fazei que, inflamados da mesma caridade, procuremos a salvação de nossos irmãos, colocando-nos inteiramente ao vosso serviço. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!

Primeira Leitura: Carta aos Hebreus 12,1-4

Irmãos, rodeados como estamos por tamanha multidão de testemunhas, deixemos de lado o que nos pesa e o pecado que nos envolve. Empenhemo-nos com perseverança no combate que nos é proposto, com os olhos fixos em Jesus, que em nós começa e completa a obra da fé. Em vista da alegria que lhe foi proposta, suportou a cruz, não se importando com a infâmia, e assentou-se à direita do trono de Deus. Pensai, pois naquele que enfrentou uma tal oposição por parte dos pecadores, para que não vos deixeis abater pelo desânimo. Vós ainda não resististes até o sangue na vossa luta contra o pecado. - Palavra do Senhor.


Comentário: Jesus é o aperfeiçoador da fé, porque nele se torna realidade aquilo que cremos e esperamos. Ele conclui a peregrinação de retorno de seu povo para Deus e recebeu a glória (v.2). Não sozinho, porém, mas como cabeça e guia (autor), exemplo perfeito da obediência a Deus e na glorificação. Junto com ele estão os mártires e santos de todos os tempos: testemunhas de Cristo diante do mundo, demonstraram, com sua vida e morte a solidez da realidade sagrada em que acreditavam; testemunhas agora de nosso combate (cf 1Cor 4,9: “Fomos dados em espetáculo ao mundo, aos anjos e aos homens”), como antigos campeões já premiados pela vitória, encorajamo-nos com o exemplo deles. A oração eucarística recorda “aqueles que em todos os tempos vos foram agradáveis”, “nossos intercessores junto de vós”. Em comunhão conosco, ainda peregrinos, constituem parte da grande assembleia dos que foram salvos e que anunciam as maravilhas do Senhor. (Missal Cotidiano)

Salmo: 21 (22),26b-27 .28.30. 31-32 (R. Cf.27b)
Todos aqueles que vos buscam, não de louvar-vos, ó Senhor

Sois meu louvor em meio à grande assembleia; cumpro meus votos ante aqueles que vos temem! Vossos pobres vão comer e saciar-se, e os que procuram o Senhor o louvarão. “Seus corações tenham a vida para sempre!”

Lembrem-se disso os confins de toda a terra, para que voltem ao Senhor e se convertam, e se prostrem, adorando, diante dele todos os povos e as famílias das nações. Somente a ele adorarão os poderosos, e os que voltam para o pó o louvarão.

Para ele há de viver a minha alma, toda a minha descendência há de servi-lo; às futuras gerações anunciará o poder e a justiça do Senhor; ao povo novo que há de vir, ela dirá: “Eis a obra que o Senhor realizou!”

Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 5,21-43

Naquele tempo, Jesus atravessou de novo, numa barca, para a outra margem. Uma numerosa multidão se reuniu junto dele, e Jesus ficou na praia. Aproximou-se, então, um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Quando viu Jesus, caiu a seus pés, e pediu com insistência: “Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!” Jesus então o acompanhou. Numerosa multidão o seguia e comprimia.

Ora, achava-se ali uma mulher que, há doze anos, estava com hemorragia; tinha sofrido nas mãos de muitos médicos, gastou tudo o que possuía, e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais. Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão, e tocou na sua roupa.

Ela pensava: “Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada”. A hemorragia parou imediatamente, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença. Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele. E, voltando-se no meio da multidão, perguntou: “Quem tocou na minha roupa?” Os discípulos disseram: “Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: ‘Quem me tocou’?” Ele, porém, olhava ao redor para ver quem havia feito aquilo.

A mulher, cheia de medo e tremendo, percebendo o que lhe havia acontecido, veio e caiu aos pés de Jesus, e contou-lhe toda a verdade. Ele lhe disse: “Filha, a tua fé te curou. Vai em paz e fica curada dessa doença”. Ele estava ainda falando, quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga, e disseram a Jairo: “Tua filha morreu. Por que ainda incomodar o mestre?” Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: “Não tenhas medo. Basta ter fé!” E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João.

Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e como estavam chorando e gritando. Então, ele entrou e disse: “Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu, mas está dormindo”. Começaram então a caçoar dele. Mas, ele mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina, e os três discípulos que o acompanhavam. Depois entraram no quarto onde estava a criança. Jesus pegou na mão da menina e disse: “Talitá cum” - que quer dizer: “Menina, levanta-te!” Ela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos. E todos ficaram admirados. Ele recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo daquilo. E mandou dar de comer à menina. - Palavra da Salvação.

Comentários:

A pessoa de fé é aquela que acolhe a revelação divina e responde de forma positiva aos seus apelos. Quando a pessoa acolhe Jesus como sendo o Filho de Deus e procura responder de forma positiva a esta presença de Deus em sua vida, ela é constantemente movida ao encontro de Deus e passa a se beneficiar de suas graças e bênçãos. Mas quem não acolhe a revelação, não reconhece Jesus como o verdadeiro Deus presente no meio de nós, não vai ao seu encontro, não participa da sua vida e do seu projeto de amor e, consequentemente, não se beneficia de tudo aquilo que ele nos concede. (CNBB)

Os dois milagres realizados por Jesus apresentam-no como fonte donde transborda a vida. Sua missão consistiu em fazer jorrar vida onde a morte e a doença pareciam impor-se. Missão de resgatar a vida humana. O chefe da sinagoga, cuja filha havia morrido, viu seu pedido atendido: com uma ordem de Jesus, a menina retornou à vida e levantou-se, para espanto de todos. Igualmente a mulher, vítima de uma hemorragia que não se estancava, viu-se curada pelo Mestre. Em ambos os casos, Jesus se manifestou como Senhor e fonte da vida. Essa mulher, certa de ser curada, tocara nas vestes de Jesus. Este imediatamente percebeu que uma força saíra dele. Num primeiro momento, parece que o milagre se realizara por um poder mágico, uma vez que bastou a mulher tocá-lo para sentir-se curada. Contudo, levada a explicar o sentido de seu gesto, confessou ter sido movida pela fé no poder do Mestre. Ao que ele declarou: "A tua fé te salvou!" Nada consegue de Jesus quem o busca por considerá-lo possuidor de forças mágicas de cura. Só a fé abre caminho para a vida que dele transborda. Portanto, uma fé salvífica que supera o simples benefício físico e oferece ao ser humano muito mais que a vida material. Fé que o predispõe para a vida eterna. (Padre Jaldemir Vitório/Jesuíta)

Marcos apresenta dois episódios que se encerram na mesma conclusão: “Fé”. Vamos analisar primeiro o caso da mulher que sofria de hemorragias há doze anos. Partimos do ponto onde uma numerosa multidão espremia Jesus. Realmente é de causar espanto a pergunta “Quem tocou minhas vestes?” Sem sombra de dúvidas as pessoas que ali se encontravam desejavam ter um contato com Jesus, cada um com certeza tinha o seu pedido a fazer, temos por experiência o que acontece nos nossos dias quando alguém famoso é colocado no meio do povo. Muitas pessoas seguravam o braço de Jesus dizendo: “Senhor cura-me!”, então vem a pergunta que não quer calar: O que realmente fez com que Jesus parasse? O que diferenciou está mulher dos outros? Vejamos, traçando um paralelo entre ela e leproso (Mc 1,40), ambos foram movidos pela mesma fé que rompe barreiras, agiram de forma audaciosa ao se colocar na presença de Jesus, enfrentaram o preconceito, a humilhação e a rejeição.  Diante da pergunta de Jesus a mulher temerosa lança-se a seus pés. Aqui cabe uma observação, o temor não era da pessoa de Jesus, pois pela cura operada ela tinha agora a certeza do amor misericordioso do enviado de Deus. O medo certamente era em função da “Lei da Pureza” que excluía a pessoa do convívio social não dando a oportunidade de ser curada. Jesus contrariando a Lei que oprime e exclui, acolhe a filha amada e expressa que pela fé na Boa Nova alcançou a salvação. Agora na historia de Jairo a atitude dele diante de Jesus (“ao ver Jesus ele se prostra a seus pés e suplica-lhe com insistência”), assemelha-se a do possuído da Decápole, porque o gesto de Jesus foi diferente? É lógico que Jesus reconheceu em Jairo a mesma preocupação que Deus tem para com seus filhos que se encontram em pecado. Jairo como responsável pela sinagoga, ser visto na companhia de Jesus que era tido como impuro e descumpridor das leis, era um risco muito grande que só alguém desejoso por mudança poderia realizar. A sua profissão de fé, “impõe-lhe as mãos para que seja salva e viva” (v.23), já sinaliza para alguém que acredita que a profecia tornou-se realidade. É interessante a atitude de Jesus para com Jairo ao ser informado da morte da filha. “Não tenhas medo; somente fé” (v.36). Quantas vezes Jesus já falou a mesma frase para nós? Diante das dificuldades não podemos nos entregar ao conformismo e a lamuria, e sim acreditar que o Deus da vida, através de Jesus, faz parte da nossa história. Marcos apresenta um relato bem interessante nos versículos finais. Vamos primeiro recordar as “Bodas de Caná” (Jo 2,6), era uma festa e lá precisava ocorrer um milagre, tinham eles seis talhas, (seis um número incompleto), mas para o milagre acontecer era preciso mais um componente (sete a perfeição). No caso de Jairo, um momento de tristeza, aqui também há a necessidade de um milagre, quantas pessoas estavam no quarto, a menina, o pai, a mãe, Pedro, Tiago e João, (seis). Não importa a quantas anda nossa vida, seja jubilosa ou amargurada, sem a presença de Jesus nunca alcançaremos a perfeição e a plenitude. (Ricardo Feitosa)

São João Bosco - 31 de janeiro

Fonte: CNBB - Missal Cotidiano (Paulus)
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica


Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: https://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ajude-nos a melhorar nossa evangelização, deixe seu comentário. Lembre-se no seu comentário de usar as palavras orientadas pelo amor cristão.

Revista: "O CRISTÃO CATÓLICO"
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica