Pular para o conteúdo principal

A tentação de Jesus no deserto - Prof. Felipe Aquino

O deserto nos leva a perguntar a nós mesmos: o que é mais importante na minha vida?

Jesus começou sua vida pública, para inaugurar o Reino de Deus entre nós, e levar a cabo a nossa salvação, sendo batizado no rio Jordão pelo Batista, apesar dos protestos de João, fazendo-se solidário com os pecadores, e assumindo a figura de Servo de Javé (Is 53), sofredor, para cumprir toda a justiça. É o que o mesmo João já tinha anunciado a seus discípulos: “Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1,29).

Como chefe de um Corpo Místico, Ele assume sobre si os pecados da humanidade diante da Justiça divina; e começa a expiá-los nos quarenta dias de jejum e oração que passa no deserto. Ali Ele enfrenta Satanás, o mesmo que tinha vencido Adão e Eva no Paraíso; agora Jesus, como o novo Adão, vai vencê-lo e começar a nos arrancar de seu jugo.


O Evangelista nos diz que “cheio do Espírito Santo, voltou Jesus do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto, onde foi tentado pelo demônio” (Lc 4,1). Ali Jesus o venceu, e nos ensinou como nós também devemos vencer as tentações: com jejum, mortificação, oração e a Palavra de Deus que Ele lançou três vezes no rosto de Satanás, sem que este pudesse resisti-la, e recua.

No deserto Jesus fez penitência por nós. A Carta aos hebreus diz que “Ele mesmo foi provado em tudo como nós, exceto no pecado” (Hb 4,15). O deserto, para onde Jesus se retira, é o lugar do silêncio, da pobreza, onde não há recursos materiais e o homem se encontra diante das questões fundamentais da existência, e por isto lhe é mais fácil encontrar a Deus. Mas o deserto é também o lugar de morte, porque onde não tem água, não tem vida, é o lugar da solidão, onde o homem sente mais a tentação, como nos ensinaram os Padres do deserto. O demônio disse a Santo Antão que ali era o seu lugar. O deserto nos leva a perguntar a nós mesmos: o que é mais importante na minha vida?

Jesus vai para o deserto, como homem, como o novo Adão que assume nele toda a humanidade, como o primeiro; e lá é tentado a desviar-se do caminho indicado pelo Pai para seguir outros caminhos mais fáceis e mundanos (cf. Lc 4,1-13). Assim, Ele assume as nossas tentações, leva consigo a nossa miséria, para vencer o maligno e para abrir-nos o caminho para Deus, o caminho da conversão. Sem dúvida Jesus se questionou profundamente, como nós, quando somos tentados.

É isso que o demônio vai por no coração de Jesus, como faz conosco. Vem propor a Jesus ser esse Messias temporal, glorioso, que o povo enganado esperava. Sugere, então, que Ele faça grandes milagres, começando a transformar pedras em pães, no momento da fome, para mostrar que é o Filho de Deus. Mas Jesus o afasta com a força da Palavra de Deus: “Está escrito, nem só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus” (Dt 8,3; Mt 4,4). Jesus conhecia bem as Escrituras, e de cor. Ele não fará milagres inúteis, mas se abandonará nas mãos do Pai. Não será por meio de prodígios extraordinários que Ele estabelecerá seu Reino na terra, mas pela pregação, pelo sacrifício dele e dos seus, pela paciência, humildade, bondade…

São João Paulo II disse um dia que “o povo tem mais fome de Deus do que de pão”. Sem uma resposta à fome da verdade, à fome de Deus, o homem não pode ser salvo. Não adianta dar pão ao homem, sem dar Deus, ele se torna pior.

Na segunda tentação, o diabo propõe a Jesus o caminho do poder: o conduz, em espírito, ao alto de uma montanha, e lhe oferece o domínio sobre todos os reinos do mundo, desde que Ele o adore. Mas este não é o caminho de Deus: Jesus tem muito claro que não é o poder mundano que salva o mundo, mas o poder da cruz, da humildade, do amor. Jesus o afasta novamente no poder da Palavra: “Está escrito: adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele servirás” (Mt 4,10). É um risco aceitar “adorar o demônio”, aceitando tudo que o mundo nos oferece contra a lei de Deus. “De que vale ganhar o mundo inteiro se vier a perder a sua alma”. Não será por meios humanos que Jesus estabelecerá o Seu Reino, mas suportando com paciência a vontade do Pai.

Para entender a tentação de Jesus é precioso entender também o seguinte: o povo judeu esperava um Messias triunfante, que por grandes milagres restabeleceria o Reino de Israel, político e terreno, como no tempo de Davi e o estenderia até os confins da terra. Acreditavam que na solenidade da Páscoa judaica, a maior festa religiosa, o Messias se lançasse do Pináculo do Templo de Jerusalém e desceria rodeado de anjos, como diz o Salmo 90; “eles te sustentarão em suas mãos para que teus pés não tropecem em alguma pedra”. E ali na cidade santa, seria, então, acolhido como o Rei de todo os povos.

Na terceira tentação, o diabo propõe a Jesus atirar-se do ponto mais alto do Templo de Jerusalém e fazer-se salvar por Deus mediante seus anjos, isto é, de fazer algo de sensacional para colocar à prova o próprio Deus; mas a resposta de Jesus é que não podemos impor a Deus as nossas condições: Ele é o Senhor de tudo. É interessante que o demônio cita o Salmo 90 para Jesus; ele também conhece a Sagrada Escritura, e a usa para a nossa perdição. Mas Jesus novamente saca da Palavra de Deus e lança-lhe no rosto: “Está escrito; não tentarás o Senhor teu Deus” (Dt 6,16; Lc 4,12). Então o demônio se afastou depois de tê-lo tentado de todos os modos, diz São Lucas.

Bento XVI disse em uma de suas homilias que “o núcleo das tentações que Jesus sofreu é a proposta de manipular a Deus, de usá-Lo para os próprios interesses, para a própria glória e para o próprio sucesso. De colocar a si mesmo no lugar de Deus, retirando-O da própria existência e fazendo-O parecer supérfluo. Cada um deveria perguntar-se: qual é o lugar de Deus na minha vida? Ele é o Senhor ou sou eu?”

Dar a Deus o primeiro lugar, é um caminho que temos de percorrer sempre de novo. Diz Bento XVI: “Converter-se significa seguir Jesus de modo que o seu Evangelho seja guia concreto da vida; significa deixar que Deus nos transforme, parar de pensar que somos os únicos construtores da nossa existência; é reconhecer que somos criaturas, que dependemos de Deus, do seu amor, e apenas “perdendo” a nossa vida Nele podemos ganhá-la… Mesmo quem nasceu em uma família cristã, a cada dia, renovar a escolha de ser cristão, ou seja, dar a Deus o primeiro lugar, diante das tentações que uma cultura secularizada.”

Prof. Felipe Aquino
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: https://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...