Pular para o conteúdo principal

Jesus na comunidade de Mateus - Igreja Católica

Hoje nós da Santa Igreja Católica acolhemos Jesus como Senhor e Salvador, filho amado de Deus-Pai, mas quando esse mesmo Jesus se fez homem como será que foi recebido, como terá sido apresentado às primeiras comunidades.

"Um menino nos foi dado...” O Messias-Criança para a comunidade de Mateus

O evangelho da comunidade de Mateus começa da seguinte maneira: "Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão". "Filho de Abraão" quer dizer que Jesus é membro do povo de Israel. Sobre "filho de Davi" vamos falar mais adiante. Mas o que dizer da palavra "origem"?   Poderíamos pensar que ela está se referindo à genealogia que vem logo a seguir. Mas não. É o livro inteiro, o evangelho todo, que fala da "origem" de Jesus.


E então vemos algo muito interessante. O evangelho não é uma obra acabada, mas ele narra apenas o começo da história de Jesus, aquela parte em que ele se mostrou visível, nascido em situação muito complicada, pregando a boa notícia do reino e de sua justiça, acolhendo os pobres e marginalizados, e por isso sendo morto.

Mas isso é só o começo da história. O que importa é a certeza que a comunidade tem de que ele está vivo, presente no meio dela. Ela é e deve ser sinal de que Ele está vivo e presente. Aliás, esta convicção é expressa com muita firmeza (Mt 18,20; 28,20). Jesus presente no meio da comunidade é Deus presente (Mt 1,23). Assim, a primeira coisa a ser dita de Jesus é que ele não é figura do passado, mas presença viva do próprio Deus na vida da comunidade.

Mas isso é pouco. Para a comunidade de Mateus não bastava afirmar a presença de Jesus no seu meio. Essa realidade provocou uma grande transformação na maneira de a comunidade ver o mundo, entender a vida e os desafios do cotidiano. Mudou radicalmente o jeito de a comunidade avaliar a ação do império, as idéias religiosas, as práticas em torno da Lei. Tudo isso que então constituiu o modo de a comunidade seguir a Jesus aparece no evangelho na própria ação do Cristo, ou seja, do messias que a comunidade reconhece. Chamamos a atenção aqui para alguns dos aspectos mais significativos neste sentido.

 Para a comunidade de Mateus as Escrituras marcam o viver do dia-a-dia. A interpretação dos preceitos da Lei de Moisés orienta o caminho. Por isso não é estranho que a comunidade trate de compreender a pessoa e a ação de Jesus à luz deste passado. E aí fica claro o sentido de uma frase como "Não pensem que eu vim abolir a Lei e os Profetas. Eu não vim abolir, mas completar" (Mt 5,17). "A Lei e os Profetas" era uma expressão para designar o conjunto das Escrituras. A comunidade entende que Jesus não está em ruptura com o passado libertador e profético de Israel. Mas ao mesmo tempo sabe que a tarefa não é a de apenas ficar repetindo o passado. Por isso fala de Jesus como alguém que veio "completar" aquilo que tinha vindo da história do povo.

E mais ainda: já que a comunidade está em conflito com os escribas e fariseus que determinam um modo de compreender e aplicar a Lei de Moisés, ela vai apresentar Jesus como aquele que propõe um entendimento e vivência mais radical desta mesma Lei, tendo em vista superar "a justiça dos escribas e fariseus" (Mt 5,20). Não é à toa que já no capítulo 2 Jesus é apresentado fugindo para o Egito, escapando do rei Herodes, tal qual tinha acontecido a Moisés muito tempo antes. Esta aproximação entre Jesus e Moisés é proposta pela comunidade para mostrar que a missão de ambos é semelhante, e recordar a ação libertadora de Moisés ajuda a compreender o sentido da ação de Jesus, o novo Moisés da comunidade.

Mas Jesus é apresentado, desde o início, como o "filho de Davi". Esta expressão tem um sentido todo especial. Designa o messias, aquela figura ungida por Deus e reconhecida pelo povo como seu libertador, esperada por muita gente. Mas a coisa não é simples. O que significou para a comunidade de Mateus chamar Jesus de "filho de Davi"? O povo de Israel tinha várias lembranças de Davi.  Havia o Davi rei, o mais conhecido, aquele que unificou as tribos em torno de um único domínio.  Havia também o Davi guerreiro, líder popular, que tinha reunido a seu redor um grupo de pessoas endividadas e empobrecidas. Ainda o Davi pastor, o pequeno que Deus escolhera. Qual imagem de Davi é assumida pela comunidade de Mateus? A genealogia deixa muito clara a escolha: é a de Davi rei (Mt 1,6).

Mas a comunidade rompe com a imagem costumeira do Davi rei. Não se trata da figura do rei triunfal e glorioso, mas a do rei que não mede esforços para satisfazer seus caprichos e por isso manda matar o marido para ficar com a esposa que ele tinha engravidado. É o Davi que tem como antepassadas mulheres que romperam com a marginalização, e para isso transgrediram a Lei; e de Tamar o patriarca Judá foi obrigado a dizer "Ela é mais justa do que eu" (Gn 38,26). Um Davi que não vem da prepotência patriarcal, mas da luta das mulheres e da justiça que se consegue pela ousadia e pela coragem.

É deste Davi que Jesus é filho, é destas mulheres que Jesus é descendente. Assim a comunidade compreende que para que seu nascimento fosse possível também foi necessário coragem e ruptura dos padrões estabelecidos (veja Mt 1,18-25). Então: Jesus, messias, filho de Davi, sim. Mas um messias que nasce na contramão, e que vai fazer seu caminho na contramão, propondo a justiça que vai além daquilo que está estabelecido, que inclui quem está excluído, que sugere novas relações e práticas a serem realizadas a partir do resgate de tradições e valores da Lei e das Escrituras.

Isso aponta para a questão da exclusão, que marcou fundo a comunidade e seus compromissos concretos. Era necessário agir e criar formas reais de solidariedade. Jesus não só nasceu a partir de tantas histórias de exclusão e de superação das exclusões. Mas ele viveu com excluídos e excluídas, pelo sistema social e por práticas realizadas em nome da Lei e da religião. Foi solidário. Foi morto por causa de seu compromisso. A comunidade de Mateus tem muita clareza quanto a isso.

E é por esta razão que cada vez mais a figura de Jesus apresentada pela comunidade em seu evangelho vai assumindo os rostos da gente sofrida que a comunidade tanto conhecia. O texto de Mt 25,31-46 é o que deixa isso mais claro: "tive fome, tive sede, era migrante, estava nu, doente e preso...". Reconhecer a presença de Jesus nas pessoas que vivem estas realidades dramáticas não muda a maneira de vê-lo, compreendê-lo e experimentá-lo na própria vida?

Resumindo, para a comunidade não bastava falar a respeito de Jesus, que ele era o messias, o filho de Davi, ou ainda o novo Moisés. Cada uma destas afirmações carregava muito conteúdo, e indicava formas muito concretas de a comunidade se situar diante da realidade e dos desafios que o dia-a-dia colocava.

Pedro Lima Vasconcelos
Doutorando em Ciências da Religião, assessor do CEBI-SP, professor da PUC-SP, Instituto Teológico Pio XI e Instituto do Sagrado Coração

Rafael Rodrigues da Silva
Mestre em Ciências da Religião, assessor do CEBI-SP, professor da PUC-SP, Instituto Teológico Pio XI, Instituto do Sagrado Coração e ITESP

Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: http://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...