Pular para o conteúdo principal

A importância da formação para o cristão - Renovação Carismática Católica

É interessante contemplar e entender como o Espírito Santo age através da formação. A Palavra de Deus assim nos diz: “Mas o Paráclito, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ensinar-vos-á todas as coisas e vos recordará tudo o que vos tenho dito”[1]. Deste pequeno texto bíblico logo percebemos duas ações do Espírito Santo: ensinar e recordar. É apropriado ao Espírito Santo nos ensinar e isso significa que Ele aguça a nossa visão espiritual para enxergarmos a abrangência, a beleza, a atualidade e a efetividade daquilo que nos está sendo transmitido, além de escrever em nossos corações os conteúdos da fé, a sã doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo, confiada à sua Igreja, Mãe e Mestra, e ministrados pelos seus servos formadores. É, inclusive, por isso que São Paulo nos diz que somos uma carta de Cristo escrita pelo Espírito Santo[2]. Ao mesmo tempo, o Espírito Santo potencializa as nossas audição e percepção espirituais acerca do que se está aprendendo, de modo a captarmos de uma forma particular aquilo que é normativo para todos, gerando em nós frutos de santidade conforme as nossas características únicas.


De outro lado, é igualmente apropriado ao Espírito nos “recordar” tudo o que Jesus nos ensinou. Em outras palavras, isso significa nos dar a capacidade de aplicar os conteúdos da fé às diversas situações do nosso dia a dia. Diante de cada situação o Espírito traz à tona algo que já aprendemos, isto é, algo que Ele mesmo escreveu a fogo em nossos corações e mentes, levando-nos a discernir corretamente as nossas ações, palavras, postura, tomada de decisões, etc. Precisamente a esse respeito o Senhor nos exorta que não devemos nos preocupar com o que haveremos de falar em nossa defesa quando formos levados às sinagogas, aos tribunais, porque o Espírito Santo nos inspirará naquela hora o que deveremos dizer…[3] Trata-se de aplicar o que se aprendeu à realidade que se impõe. É realmente maravilhosa a obra do Espírito em nós através da formação!

São Tomás de Aquino nos ensina que “a fé não termina nas fórmulas, mas na realidade. Entretanto, é através das fórmulas que se chega à realidade”[4]. Depreende-se daqui que é absolutamente necessário viver os conteúdos da fé que se professa, isto é, ser coerente; entretanto, isso só será plenamente possível na medida em que conhecermos e nos aprofundarmos nas fórmulas (enunciados) da fé, através de uma formação gradual, continuada. A vivência abrangente da fé só se torna possível a partir do seu conhecimento, enraizado e potencializado pelo Espírito Santo. Aqui é importante salientar um equívoco que muitas vezes ouvimos por aí: há quem diga, que a formação “enquadra” ou até “extingue” o Espírito Santo. Vimos que é justamente o contrário: o Espírito age poderosamente em nós através da formação, levando-nos a traduzi-la na vida, capacitando-nos de forma mais arrojada para toda boa obra, ampliando a nossa visão, gerando em nós frutos de santidade, de inserção e de comunhão eclesial, dando-nos a segurança necessária para anunciarmos a Boa-Nova do Reino com parresia, isto é, com audácia apostólica, com ousadia, com ardor.

Formar significa alinhar, dar forma a algo, ordenar, constituir, orientar o crescimento; é essencialmente um ato de amor, um grande gesto de promoção humana. O profeta Oséias já denunciava: “porque meu povo se perde por falta de conhecimento”.[5] É evidente que essa falta de conhecimento denunciada pelo profeta difere da eventual carência de cultura acadêmica; reflete o desconhecimento interior dos conteúdos da fé, reflete a ausência do “conhecer” bíblico, isto é, do conhecimento que conduz à experiência de Deus para relacionar-se de uma maneira nova com Ele. Portanto, formar significa garantir a caminhada de um povo pela verdadeira estrada, pelo verdadeiro sentido que é Jesus Cristo, povo este que é dirigido e amparado pelo Paráclito, o Consolador. O Catecismo da Igreja Católica nos ensina que “a finalidade definitiva da catequese (formação) é levar à comunhão com Jesus Cristo; só Ele pode conduzir ao amor do Pai no Espírito e fazer-nos participar da vida da Santíssima Trindade. Na catequese (formação), é Cristo, Verbo Encarnado e Filho de Deus, que é ensinado tudo o mais o é em referência a Ele. E só Cristo ensina. Todo e qualquer outro o faz apenas na medida em que é seu porta-voz, consentindo em que Cristo ensine pela sua boca.[6]” Neste mesmo raciocínio, eis o que nos ensina o Documento de Aparecida: “A missão principal da formação é ajudar os membros da Igreja a se encontrar sempre com Cristo, e assim reconhecer, acolher, interiorizar e desenvolver a experiência e os valores que constituem a própria identidade e missão cristã no mundo”.[7]

O processo formativo, potencializado pelo Espírito Santo, nos leva a uma caminhada interior e ao mesmo tempo, exterior. Interior porque nos conscientiza acerca do nosso Batismo que é fonte inesgotável de vida e graça; leva-nos a mergulhar de forma sempre mais amadurecida em nossa Identidade levando-nos a assumi-la com todas as suas consequências; conduz-nos a um autoconhecimento que é fator tão essencial para identificarmos limitações, defeitos, desvios, habilidades, talentos, e a partir de então nos aceitamos e nos amamos mais; leva-nos ao discernimento exato acerca de nosso chamado, de nossa vocação; dá-nos maturidade na fé e perseverança no seguimento de Jesus Cristo (discipulado). Paralelamente, exterior porque impulsiona-nos à missão responsável, ao compromisso efetivo com a Igreja no mundo, ao amor filial e sentimento de pertença a esta Igreja Mãe e Mestra, ao exercício equilibrado e coerente dos carismas. Faz-nos agentes de transformação social, autênticos Apóstolos da Efusão do Espírito Santo, construtores da Civilização do Amor. Enfim, formação é um poderoso instrumento que Deus utiliza para nos curar e libertar.

Nesse sentido, o Sagrado Magistério da Igreja não cessa de nos exortar acerca da importância vital da formação para os cristãos. O Catecismo da Igreja Católica nos recorda que “a catequese está intimamente ligada a toda a vida da Igreja. Dependem essencialmente dela não só a expansão geográfica e o crescimento numérico, mas também, e muito mais ainda, o crescimento interior da Igreja e a sua conformidade com o desígnio de Deus”[8] e que “os períodos de renovação da Igreja são também tempos fortes de catequese”.[9] Ora, sendo esse o tempo da primavera, o tempo de uma ação poderosa do Espírito no meio de nós, sem dúvida alguma é tempo forte de catequese (de formação). Além disso, o Concílio Vaticano II em diversos de seus Documentos destaca a importância da formação e exorta os fieis a buscá-la com amor e boa disposição. Vejamos alguns destes textos: “Todos os missionários, cada um seja preparado e formado de acordo com a sua condição, para se acharem à altura das exigências do trabalho futuro”[10]; “O apostolado não pode atingir eficácia plena, senão por meio da formação múltipla e integral”[11]; “os grupos e as associações de leigos, quer se dediquem ao apostolado, quer a outros fins sobrenaturais, devem fomentar com diligência e assiduidade a formação para o apostolado”[12].

Nesta mesma linha de exortação, o Papa João Paulo II nos ensina que “a formação doutrinal dos fieis leigos mostra-se hoje cada vez mais urgente, não só pelo natural dinamismo de aprofundar a sua fé, mas também pela exigência de ‘racionalizar a esperança’ que está dentro deles, perante o mundo e os seus problemas graves e complexos”[13] e conclui com a sabedoria que lhe era peculiar que “a formação não é o privilégio de uns poucos, mas sim um direito e um dever para todos.”[14] Das palavras do Sumo Pontífice João Paulo II, portanto, detectamos claramente o apelo do Senhor dirigido a todos nós: a formação não deve ser vista como algo facultativo para quem se decidiu pelo seguimento incondicional do Senhor. Ao mesmo tempo, alegra-nos ser um direito de todos sermos formados aos pés do Mestre e sob a ação do Espírito Santo.

Nossos bispos da América Latina e do Caribe, ao se reunirem em Aparecida para a V Conferência Episcopal Latino-americana, em maio de 2007, apresentaram-nos as seguintes conclusões: “A vocação e o compromisso de ser hoje discípulos e missionários de Jesus Cristo na América Latina e no Caribe, requerem uma clara e decidida opção pela formação dos membros de nossas comunidades, a favor de todos os batizados, qualquer que seja a função que desenvolvem na Igreja. Olhamos para Jesus, o Mestre que formou pessoalmente a seus apóstolos e discípulos[15].

Sendo porta-voz eloquente do Espírito e representante de Cristo-Mestre nestes últimos 8 anos, o nosso querido Papa Emérito Bento XVI igualmente não se distanciará desta linha exortativa sempre tão necessária aos cristãos. Ao proclamar o Ano da Fé, em comemoração ao 50º aniversário de abertura do Concílio Vaticano II e ao 20º aniversário de promulgação do atual Catecismo da Igreja Católica, o Sumo Pontífice nos exorta a mergulharmos ainda mais em nossa fé, isto é, aprofundarmo-nos sempre mais nos conteúdos da nossa fé: “o conhecimento dos conteúdos de fé é essencial para se dar o próprio assentimento, isto é, para aderir plenamente com a inteligência e a vontade a quanto é proposto pela Igreja. O conhecimento da fé introduz na totalidade do mistério salvífico revelado por Deus”… “De fato, existe uma unidade profunda entre o ato com que se crê e os conteúdos a que damos o nosso assentimento”[16]. Em outras palavras, o Papa quis nos dizer que quanto mais nos aprofundamos nos conteúdos da fé dos quais a Igreja é depositária, mais fortemente aderimos a Cristo e à sua Palavra, mais sinceramente nos abrimos e nos entregamos a Ele, mais O amamos, melhor nos relacionamos com Ele, mais eloquentemente O anunciamos. Assim, podemos afirmar que o movimento de abertura e de entrega ao Senhor é diretamente proporcional ao conhecimento que temos Dele, de sua Palavra, de sua Igreja.

Ainda dentro do contexto do Ano da Fé, o Papa Emérito Bento XVI nos convida a um gesto concreto de renovarmos o nosso compromisso para com a formação, a começar por nós e a partir de nós, para todos os membros da RCCBRASIL: “Descobrir novamente os conteúdos da fé professada, celebrada, vivida e rezada e refletir sobre o próprio ato com que se crê, é um compromisso que cada crente deve assumir.”[17] Qual é a sua resposta para esse convite?

A Renovação Carismática Católica do Brasil desde logo atentou para esse constante apelo da Igreja. Por isso, temos um material vasto, rico e sempre crescente, que oferece a todos os seus membros uma formação sólida e continuada, tornando-nos “sempre prontos a responder para a nossa defesa a todo aquele que nos pedir a razão da nossa esperança”.[18]

O processo formativo na Renovação Carismática Católica não é e não poderia ser diverso daquele que é proposto pela Mãe Igreja: inicia-se com a fase querigmática, isto é, a fase do primeiro anúncio, do anúncio fundamental. Nesta fase estão contemplados: (i) o Seminário de Vida no Espírito – dinâmica que consiste em nove semanas de pregações querigmáticas ungidas acompanhadas de fortes momentos de oração espontânea, partilhas em grupo e leitura orante de textos bíblicos para cada dia destas semanas –; (ii) o Retiro de Experiência de Oração – dinâmica que ocorre em finais de semana, em que dá-se continuidade ao primeiro anúncio de maneira profundamente experiencial e oracional, culminando com a experiência da Efusão do Espírito Santo; (iii) segue-se com o Aprofundamento de Dons – dinâmica em forma de Seminário ou de Retiro de finais de semana, em que se ministram pequenos ensinos acerca dos dons do Espírito Santo, privilegiando-se a experiência do exercício inspirado com os mesmos, sendo ainda opcional a aplicação do Seminário de Batismo no Espírito Santo, utilizando-se a mesma dinâmica do Seminário de Vida no Espírito. Esta fase inicial é fundamental, posto que é uma etapa de apresentação da fé, de adesão pessoal e gradativa a Jesus Cristo; é uma fase de profundo “encantamento” com o Senhor e com as coisas o Alto, é uma fase crucial de inserção na comunidade eclesial.

Entretanto, como nos ensina o Frei Raniero Cantalamessa – Pregador da Casa Pontifícia – na Igreja Católica a fase querigmática é só o começo. “Depois daquela decisão, abre-se o caminho para o crescimento e a plenitude da vida cristã e, graças à sua riqueza sacramental, ao magistério, ao exemplo de muitos santos.”[19] Isso não significa dizer que esta fase é menos importante ou apenas um resumo dos conteúdos de fé. Ao contrário, é o alicerce sobre o qual se constrói o homem interior e contém a Revelação em sua totalidade, que é, contudo, aprofundada na catequese. Portanto, na perspectiva do Processo Formativo da Renovação Carismática Católica, segue-se ao Módulo Básico de Formação – antes denominada Escola Paulo Apóstolo – dando início à fase catequética/formativa desse processo. O Módulo Básico, que é permeado também pelos Encontros de Formação Humana, confere ao membro da RCC uma visão ampliada do Reino de Deus, do Movimento Eclesial do qual faz parte, da comunidade carismática – Grupo de Oração – no qual está enraizado, além de despertar para um trabalho interior em parceria com o Espírito Santo rumo à santidade. É fundamental na medida em que é necessário conhecer o básico do todo para dedicar-se à parte, conforme o chamado vocacional de cada um dentro do Movimento.

A partir daí, seguem-se as formações específicas dos diversos ministérios reconhecidos pela Igreja e suscitados pelo próprio Espírito no seio da RCC para o bem comum e sempre em prol da totalidade do Movimento. Essas e outras iniciativas de formação são facilmente verificadas em nosso Movimento, o que nos leva a louvar e bendizer a Deus por estarmos em estreita comunhão e obediência com o que nos pede a sua Igreja.

Tudo isso está ao nosso dispor; não podemos e não devemos desperdiçar esta graça. Ela é para nós e para todos aqueles que o Senhor nos confiar. É como nos exorta São Paulo: “Na qualidade de colaboradores seus, exortamos-vos a que não recebais a graça de Deus em vão. Pois ele diz: Eu te ouvi no tempo favorável e te ajudei no dia da salvação (Is. 49, 8). Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação.”[20]

Vinícius Rodrigues Simões
Coordenador Nacional do Ministério de Formação – RCCBRASIL
Grupo de Oração Jesus Senhor

Nota:

[1] Jo. 14, 26
[2] Cf. II Cor. 3,3
[3] Cf. Lc. 12, 11-12
[4] Cf. Suma Teológica, II-II, 1,2 ad 2
[5] Os. 4, 6a
[6] Catec. 426/427
[7] V CELAM – Documento de Aparecida, 279
[8] Catec. 7
[9] Idem, 8
[10] CV II. Decreto Ad Gentes, 26
[11] CV II. Decreto Apostolicam Actuositatem, 28
[12] Idem, 30
[13] João Paulo II, Exortação Apostólica Christifideles Laici, 60.
[14] Idem, 63
[15] V CELAM, Documento de Aparecida, 276
[16] Bento XVI, Carta Apostólica Porta Fidei, 10
[17] Idem, 9
[18] Cf. I Pd. 3, 15
[19] Trecho da 1ª Pregação do Advento/2012
[20] II Cor. 6, 1-2

Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: http://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...