Pular para o conteúdo principal

São José, Padroeiro da Igreja - 19 de março

Vós que viajastes pelo Egito conduzindo a Sagrada Família, enfrentando todas as adversidades, dai-me como vós tivestes, muita saúde para enfrentar as peregrinações que a vida me impõe. Vós que, com o trabalho árduo de carpinteiro sustentastes a Sagrada Família, dai-me serviço para que a ociosidade e o desemprego não me aflijam e para que sempre me coloque a serviço do Senhor. Vós que soubestes aceitar com humildade e resignação os desígnios de Deus, dai-me a mesma sabedoria que tivestes para que eu tenha a humildade e a alegria necessárias para bem servir a Deus neste mundo. 

Pois com saúde, serviço e sabedoria nada mais me faltará. E assim poderei, como vós, servir cada dia mais o Senhor, nosso Deus, nesta breve passagem para a vida eterna. São José, rogai por nós. Amém.

São José “Padroeiro dos Trabalhadores”, “Padroeiro das Famílias” e também “Padroeiro da Igreja”, nasceu em Belém no século I a.C., pertencia a Tribo de Judá, descendente do rei Davi, José “o justo”. São José é representado segurando Jesus de um lado e do outro “lírios” que significa pureza, simplicidade, castidade, um abandono total a graça de Deus.

São raros os dados sobre as origens, a infância e a juventude de José, o humilde carpinteiro de Nazaré, pai terrestre e adotivo de Jesus Cristo, e esposo da Virgem de todas as virgens, Maria. Sabemos apenas que era descendente da casa de David. Mas, a parte de sua vida da qual temos todo o conhecimento basta para que sua canonização seja justificada. São José é, praticamente, o último elo entre o Velho e o Novo Testamento, o derradeiro patriarca que recebeu a comunicação de Deus vivo, através do caminho simples dos sonhos. Sobretudo escutou a palavra de Deus escutando no silêncio.

Nas Sagradas Escrituras não há uma palavra sequer pronunciada por José. Mas, sua missão na história da Salvação humana é das mais importantes: dar um nome a Jesus e fazê-lo descendente de David, necessário para que as profecias se cumprissem. Por isso, na Igreja, José recebeu o título de "homem justo". A palavra "justo" recorda a sua retidão moral, a sua sincera adesão ao exercício da lei e a sua atitude de abertura total à vontade do Pai celestial. Também nos momentos difíceis e às vezes dramáticos, o humilde carpinteiro de Nazaré nunca arrogou para si mesmo o direito de pôr em discussão o projeto de Deus. Esperou a chamada do Senhor e em silêncio respeitou o mistério, deixando-se orientar pelo Altíssimo.

Quando recebeu a tarefa, cumpriu-a com dócil responsabilidade: escutou solícito o anjo, quando se tratou de tomar como esposa a Virgem de Nazaré, na fuga para o Egito e no regresso para Israel. Com poucos, mas significativos traços, os evangelistas o descreveram como cuidadoso guardião de Jesus, esposo atento e fiel, que exerceu a autoridade familiar numa constante atitude de serviço. As Sagradas Escrituras nada mais nos dizem sobre ele, mas neste silêncio está encerrado o próprio estilo da sua missão: uma existência vivida no anonimato de todos os dias, mas com uma fé segura na Providência.

Somente uma fé profunda poderia fazer com que alguém se mostrasse tão disponível à vontade de Deus. José amou, acreditou, confiou em Deus e no Messias, com toda sua esperança. Apesar da grande importância de José na vida de Jesus Cristo não há referências da data de sua morte. Os teólogos acreditam que José tenha morrido três anos antes da crucificação de Jesus, ou seja, quanto Ele tinha trinta anos.

Por isso, hoje é dia de festa para a Fé. O culto a São José começou no Egito, passando mais tarde para o Ocidente, onde hoje alcança grande popularidade. Em 1870, o Papa Pio IX proclamou São José, padroeiro universal da Igreja e, a partir de então, passou a ser venerado no dia 19 de março. Porém, em 1955, o Papa Pio XII fixou também, o dia primeiro de maio para celebrar São José, o trabalhador. Enquanto, o Papa João XXIII, inseriu o nome de São José no Cânone romano, durante o seu pontificado.

É antiga a devoção a São José, no século 9º já era celebrada pelas Igrejas do oriente, foi introduzida no ocidente pelos Carmelitas. O Papa Xisto IV inseriu-a no breviário e no missal; Gregório XV generalizou-a em toda a Igreja. Clemente XI compôs o ofício com os hinos para o dia 19 de março. Leão XIII recomendou a devoção a São José, de um modo particular, o Papa Benedito XV inseriu no missal um prefácio próprio. Em 1870, o Papa Pio IX proclamou São José, padroeiro universal da Igreja Católica.

Santa Tereza D' Ávila: "Tomei por advogado e senhor ao glorioso São José e encomendei-me muito a ele... Causa espanto as grandes mercês que Deus me fez por meio desse bem aventurado Santo, dos perigos que me livrou tanto do corpo como da alma. A outros santos parece que o Senhor lhes deu graças para socorrer em determinada necessidade. Mas deste glorioso santo tenho experiência que socorre em todas... Só peço, por amor de Deus, que o prove quem em mim não acreditar e verá por experiência o grande bem que é encomendar-se a este glorioso patriarca e lhe ter devoção".

Fonte: Edições Paulinas – O Arcanjo – Pagina Oriente
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: https://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...