Pular para o conteúdo principal

Evangelho Comentado do Dia 20/03/2017 segunda-feira SÃO JOSÉ - Padroeiro da Igreja Universal

Liturgia Diária Comentada 20/03/2017 segunda-feira
3ª Semana da Quaresma - 3ª Semana do Saltério
Solenidade: SÃO JOSÉ - Padroeiro da Igreja Universal
Prefácio Próprio - Ofício da Solenidade - Glória e Creio
Cor: Branco - Ano “A” Mateus

Antífona: Lucas 12,42 Eis o servo fiel e prudente, a quem o Senhor confiou a sua casa.

Oração do Dia: Deus todo-poderoso, pelas preces de São José, a quem confiastes as primícias da Igreja, concedei que ela possa levar à plenitude os mistérios da salvação. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!

Primeira Leitura: Segundo Livro de Samuel 7,4-5a.12-14a.16

Naqueles dias, a Palavra do Senhor foi dirigida a Natã nestes termos: “Vai dizer ao meu servo Davi: ‘Assim fala o Senhor: Quando chegar o fim dos teus dias e repousares com teus pais, então, suscitarei, depois de ti, um filho teu, e confirmarei a sua realeza. Será ele que construirá uma casa para o meu nome, e eu firmarei para sempre o seu trono real. Eu serei para ele um pai e ele será para mim um filho. Tua casa e teu reino serão estáveis para sempre diante de mim, e teu trono será firme para sempre’. - Palavra do Senhor.


Comentário: O templo é o lugar da presença benevolente de Deus é a sua morada no meio dos homens. É ao mesmo tempo o lugar em que a comunidade é acolhida por Deus. Ambas as coisas só se realizam em Jesus Cristo feito homem. Aqui, a presença de Deus é real e corporal. Aqui a humanidade é real e corporal, pois ele a aceitou em seu corpo. Por isso, o corpo de Cristo é o lugar da aceitação, da reconciliação e da paz entre Deus e o homem. Deus encontra no corpo de Cristo o homem e o homem é aceito no corpo de Cristo. O corpo de Cristo é o templo espiritual, edificado de pedras vivas (1 Pd 2,5ss). Só Cristo é fundamento e pedra angular deste templo (Ef 2,20; 1Cor 3,11), e é igualmente o templo (Ef 2,21) em que habita o Espírito Santo, que enche os corações dos fiéis e os santifica (1Cor 3,16; 6,19). O templo de Deus é a comunidade santa em Jesus Cristo. O corpo de Cristo é o templo vivo de Deus e a nova humanidade". (Deus Único)

Salmo: 88(89),2-3.4-5.27 e 29 (R. 37)
Eis que a sua descendência durará eternamente

Ó Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor, de geração em geração eu cantarei vossa verdade! Porque dissestes: "O amor é garantido para sempre!" E a vossa lealdade é tão firme como os céus.

"Eu firmei uma Aliança com meu servo, meu eleito, e eu fiz um juramento a Davi, meu servidor. Para sempre, no teu trono, firmarei tua linhagem, de geração em geração garantirei o teu reinado!"

Ele, então, me invocará: Ó Senhor, vós sois meu Pai, sois meu Deus, sois meu Rochedo onde encontro a salvação!' Guardarei eternamente para ele a minha graça e com ele firmarei minha Aliança indissolúvel.

Segunda Leitura: Carta de São Paulo aos Romanos 4,13.16-18.22

Irmãos, não foi por causa da Lei, mas por causa da justiça que vem da fé que Deus prometeu o mundo como herança a Abraão ou à sua descendência. É em virtude da fé que alguém se torna herdeiro. Logo, a condição de herdeiro é uma graça, um dom gratuito, e a promessa de Deus continua valendo para toda a descendência de Abraão, tanto para a descendência que se apega à Lei, quanto para a que se apoia somente na fé de Abraão, que é o pai de todos nós. Pois está escrito: “Eu fiz de ti pai de muitos povos”. Ele é pai diante de Deus, porque creu em Deus que vivifica os mortos e faz existir o que antes não existia. Contra toda a humana esperança, ele firmou-se na esperança e na fé. Assim, tornou-se pai de muitos povos, conforme lhe fora dito: “Assim será a tua prosperidade”. Esta sua atitude de fé lhe foi creditada como justiça. - Palavra do Senhor.

Comentário: Em vista da justiça que vem da fé, Abraão recebeu gratuitamente de Deus a promessa de se tornar herdeiro do mundo. Ora, a promessa feita a Abraão permanece e é transmitida como herança aos seus descendentes. Todavia, os autênticos descendentes e herdeiros são aqueles que Deus justifica através da fé, como fez Abraão, e não os que se limitam a observar a Lei. Nossas pobres experiências de fidelidade nos tornam desconfiados. Em qualquer encontro tememos que o outro procure possuir-nos, ocupar alguma coisa nossa. Defendemo-nos de muitas maneiras – até de Deus – muitas vezes com urbanidade, ou com a observância de um regulamento que salva as aparências e impede um encontro leal, em profundidade. Mas o reino de Deus não se desenvolve através de processos burocráticos. Não são os “honestos funcionários” que o fazem progredir, mas as pessoas que alimentam a esperança no Senhor e estão dispostas a segui-lo por caminhos imprevisíveis, aqueles que, como Abraão, fazem da própria vida uma resposta de contínua confiança à fidelidade de Deus. (Deus Único)

Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 1,16.18-21.24a

Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: “José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”. Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado. - Palavra da Salvação.

Comentários:

São José deve servir de modelo para todos nós. O Evangelho de hoje nos mostra muitos pontos da sua pessoa que devem inspirar-nos na vivência da fé e do compromisso com Deus e com a obra da Igreja. José pertence à descendência de Davi, faz parte dos planos de Deus para a salvação do mundo, como nós também fazemos parte dos planos de Deus para a nossa salvação e das demais pessoas. José é definido como justo, que na tradição bíblica corresponde à santidade, e nós devemos aspirar à santidade. Na dúvida, José não fica preso nos seus planos, mas descobre e realiza a vontade de Deus. Da mesma forma, nós devemos muitas vezes fazer um ato de humildade e procurar realizar a vontade de Deus, e não a nossa. (CNBB)

O relato mostra com toda a clareza que a maternidade de Maria não é obra de José, mas do Espírito Santo, fato que é afirmado duas vezes no breve relato. José, interpelado enfaticamente como "Filho de Davi", garante a linhagem dinástica de Jesus, que receberá esse título. Celebraram-se, segundo o costume, os esposais, não o casamento, e não há coabitação precedendo o nascimento. Aqui se diz que José era "honrado". O termo poderia significar que era "inocente" no assunto que começava a se manifestar, mas que não queria repudiá-la. "Privadamente" com o mínimo de testemunhas, sem processo ou ação pública. A visão em sonhos recorda os sonhos de outro José e os supera. O menino será realmente "filho" de Maria. Se José impõe o nome é porque age como pai legal. O nome do menino (o mesmo que Josué é parecido com Oséias) enuncia e anuncia o destino: se um rei deve "salvar" seu povo, também o descendente de Davi nasce para salvar seu povo dos pecados. Salvação teológica, não política. Mateus emprega o sonho como meio de revelação fidedigna. (Bíblia do Peregrino, Paulus, 2002)

Fonte: CNBB - Missal Cotidiano (Paulus)
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: https://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...