Pular para o conteúdo principal

Homens, luz do mundo - Reflexão 5º Domingo Comum “A” - São Mateus

Homens, luz do mundo
      

O trecho evangélico está no contexto das bem-aventuranças. Os que são proclamados bem-aventurados, não o são só para si mesmos, mas também perante o mundo; para a realidade terrestre são luz e sal. "Vós sois a luz do mundo": Jesus disse estas palavras em primeiro lugar para os que creem, os discípulos que são os pobres, os mansos, os que têm fome e sede de justiça... São luz não porque pertencem à Igreja, ou porque tenham uma doutrina de salvação a comunicar, nem porque são homens de oração e fiéis ao culto; mas, em primeiro lugar, porque são pobres, mansos, puros de coração... 

Vejam vossas boas obras

A 1ª leitura o acentua. Ao povo hebreu, preocupado com a prática exterior e irrepreensível do culto, atarefado em reconstruir o templo destruído, Deus lembra que, mais do que o esplendor do culto, o que lhe agrada é que hospedem os desabrigados, dividam o pão com o faminto... "Então a tua luz romperá como a aurora". Não basta rezar e jejuar. A oração e o jejum devem ser acompanhados da ação, "para fazer brilhar a luz nas trevas A abstinência do alimento vale pouco se não for para nutrir o faminto”. Como pode o discípulo, concretamente, tornar-se "sal da terra e luz do mundo", está dito também claramente no evangelho quando conclui: "Vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus". Não são as palavras que dão testemunho da vinda do reino de Deus, mas a prática da vida, o comprometer-se em tarefas construtivas. O discípulo deve misturar-se, penetrar profundamente no mundo para dar-lhe o sabor novo, o fermento de salvação trazido por Cristo.

No rito do batismo, o sacerdote entrega ao pai do batizando uma vela acesa no círio pascal. Cristo ressuscitado é a "luz". O batizado é o "iluminado" que se insere na morte-ressurreição de Cristo. Viver a luz é o compromisso que o espera: o Espírito o "move", o "arrasta". As "obras da luz" são obra do Espírito através da fragilidade do homem. Não há lugar para presunção, vanglória, soberba.

Onde está hoje a luz que salva?

O evangelho fala de sal insípido, que "para nada serve senão para ser lançado fora e pisado pelos homens". Fala-se de luz escondida "sob o alqueire". É um convite a "provar" a qualidade do nosso sal de cristãos de hoje, e a ver com que obstáculos ocultamos a luz do evangelho. A firmeza de Isaias não nos permite gracejar ou complicar com sutilezas a palavra de Deus.

Ainda hoje contam-se às centenas de milhões os famintos no mundo, e estão sempre aumentando, consequência de uma lógica férrea, própria de um sistema econômico desumano, que acumula riquezas cada vez maiores nas mãos dos que já estão fartos e despoja inexoravelmente os miseráveis. O embaraço ainda se torna maior quando lançamos um olhar sobre o mapa da fome, da miséria e da opressão. Os países "tradicionalmente cristãos" estão no auge da riqueza, da opulência.

Sinal ou barreira

Surge então a pergunta se também nós, cristãos, não apoiamos um sistema injusto e opressor dos fracos e dos pobres. A pobreza do Terceiro Mundo e as estatísticas do subdesenvolvimento não se explicam pela recusa da técnica, ou pela preguiça congênita e irremediável, mas pela secular exploração das matérias-primas, pela submissão forçada a uma raça, pelo comércio internacional baseado na intimidação ou na boicotagem, nas "ajudas" internacionais como modo de desfazer-se utilmente de mercadorias inúteis. Fica então uma interrogação: será que a luz de Cristo ainda ilumina este "mundo" ou, ao contrário, ilumina só um "mundo futuro", para o qual devemos caminhar como num êxodo? A comunidade cristã de hoje corre o risco de ocultar atrás de pesadas barreiras a luz de Cristo. A não consciência da solidariedade no testemunho, o desinteresse por uma expressão comunitária da nossa fé, a política de se lavar as mãos quanto aos fatos em que não estão em jogo os nossos interesses, a intervenção ingênua em defesa da "ordem constituída" impedem às nossas comunidades eclesiais de fazer ver a luz. É necessária uma continua reflexão a fim de que as estruturas não se tornem barreira ou contratestemunho da nossa Igreja. E a reflexão deve tornar-se ação, com sabedoria e eficácia, para não destruir nada de válido, para fazer brotar as sementes de bem que existem por toda parte e que esperam um bom terreno, um cultivo cuidadoso e o confiante recurso ao auxílio decisivo de Deus.

·        Primeira Leitura: Livro do Profeta Isaías 58,7-10
·        Salmo: 111,4-5.6-7.8a.9 (R.4b.3b)
·        Segunda Leitura: Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 2,1-5
·        Evangelho: de Jesus Cristo segundo Mateus 5,13-16

Fonte: Missal Dominical (Paulus)
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: http://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...