Pular para o conteúdo principal

Liturgia Diária Comentada 12/01/2017 quinta-feira

1ª Semana do Tempo Comum - 1ª Semana do Saltério
Prefácio Comum - Ofício do dia
Cor: Verde - Ano “A” Mateus

Antífona: Ergamos os nossos olhos para aquele que tem o céu como trono; a multidão dos anjos o adora, cantando a uma só voz: Eis aquele cujo poder é eterno.

Oração do Dia: Ó Deus, atendei como o Pai às preces do vosso povo; dai-nos a compreensão dos nossos deveres e a força de cumpri-los. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!

Primeira Leitura: Carta aos Hebreus 3,7-14


Irmãos, escutai o que declara o Espírito Santo: “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações, como aconteceu na provocação, no dia da tentação, no deserto, onde vossos pais me tentaram, colocando-me à prova, embora vissem as minhas obras, durante quarenta anos. Por isso me irritei com essa geração e afirmei: sempre se enganam no coração e desconhecem os meus caminhos. Assim jurei em minha ira: não entrarão no meu repouso”.  Cuidai irmãos, que não se ache em algum de vós um coração transviado pela incredulidade, levando-o a afastar-se do Deus vivo. Antes, animai-vos uns aos outros, dia após dia, enquanto ainda se disser “hoje”, para que nenhum de vós se endureça pela sedução do pecado, pois tornamo-nos companheiros de Cristo, contanto que mantenhamos firme até ao fim a nossa confiança inicial.  - Palavra do Senhor.

Comentário: Não diversamente dos cristãos com que se ocupa a carta aos hebreus, os cristãos do nosso tempo encontram-se muitas vezes expostos a dupla tentação. A tentação de considerar a fé em Deus como uma espécie de apólice de seguro: contra as desgraças e doenças, contra as injustiças e afrontas, contra as calamidades naturais, contra as próprias enfermidades espirituais. Deus deve intervir para livrar o mundo das desgraças, para livrar das insídias da dúvida e do pecado aqueles que o invocam. A tentação de considerar a Igreja como um lugar de refúgio seguro, de onde se pode tranquilamente escutar o fragor das ondas que tragam os infelizes que estão “fora” do porto. Para esses cristãos é inconcebível que o Concílio apresente, ao contrário, uma Igreja “em contínua busca da verdade”, uma Igreja chamada a renovar-se, a mudar as estruturas, para ser sinal da salvação para todos os homens. Mas esta é, justamente, a Igreja que Cristo quis. (Missal Cotidiano)

Salmo: 94, 6-7. 8-9. 10-11 (R. 8)
Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: Não fecheis os vossos corações

Vinde adoremos e prostremo-nos por terra, e ajoelhemos ante o Deus que nos criou! Porque ele é o nosso Deus, nosso Pastor, e nós somos o seu povo e seu rebanho, as ovelhas que conduz com sua mão.

Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: "Não fecheis os corações como em Meriba, como em Massa, no deserto, aquele dia, em que outrora vossos pais me provocaram, apesar de terem visto as minhas obras".

Quarenta anos desgostou-me aquela raça e eu disse: "Eis um povo transviado, seu coração não conheceu os meus caminhos!" E por isso lhes jurei na minha ira: "Não entrarão no meu repouso prometido!"

Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 1,40-45

Naquele tempo, um leproso chegou perto de Jesus, e de joelhos pediu: "Se queres, tens o poder de curar-me". Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse: "Eu quero: fica curado!" No mesmo instante a lepra desapareceu e ele ficou curado. Então Jesus o mandou logo embora, falando com firmeza: "Não contes nada disso a ninguém! Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!" Ele foi e começou a contar e a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos. E de toda parte vinham procurá-lo. - Palavra da Salvação.

Comentários:

O assédio das multidões fazia Jesus evitar as cidades e preferir os lugares desertos, para onde acorria quem precisava de sua ajuda. Esta opção explica-se pelo desejo de realizar sua missão com plena liberdade, sem ser pressionado pelos ideais messiânicos, largamente difundidos nos meios populares. O deserto era apropriado para ele se proteger. Mas é possível fazer uma interpretação simbólica desta opção de Jesus. O imaginário da época reportava-se às agruras do êxodo do Egito, quando pensava no deserto. Sendo desabitado, sem vegetação, este se torna perigoso e mortífero. O deserto é lugar de provação. Nele é preciso escolher entre confiar em Deus ou confiar em si mesmo e nas capacidades pessoais de vencer os desafios. A configuração terrível do deserto gerou a crença de que, nele, habita o Diabo, como se fosse o lugar escolhido, por ser neutro, para o confronto com Deus. As cenas evangélicas da tentação são, por isso, situadas no deserto, para onde Jesus é conduzido pelo Espírito. Escolhendo o deserto como lugar de ação, Jesus combatia o inimigo da humanidade, dentro dos domínios deste. Esta luta sem trégua marcou a ação do Mestre, pois a implantação do Reino supunha a derrota das forças diabólicas. Ele as enfrentou e venceu, com destemor. Sinal disto foram as curas e os milagres realizados nas regiões desertas. Com a chegada de Jesus, o Diabo perdeu o poder de oprimir o ser humano. (Padre Jaldemir Vitório/Jesuíta)

O leproso sabia da sua condição de excluído, como impuro e canal de impureza jamais deveria cruzar sequer o caminho de alguém, mas confiando naquele que trazia uma Boa Noticia, que anuncia um novo tempo, rompe a barreira do preconceito, da lei que exclui e oprime e vai ao encontro de Jesus. Por sua vez, Jesus não vira as costas a aquele que o procura, não se preocupa se também se tornará um excluído, irrita-se com os sacerdotes e doutores que não buscam dar melhores condições ao necessitado. A lepra era considerada um grande castigo de Deus e só ele poderia reverter à situação, curar um leproso era a mesma coisa que ressuscitar alguém, a ação de Jesus é sinal de que ele é verdadeiramente o Messias. Já o motivo que levou Jesus a impedir o leproso de divulgar a cura, tendo em vista que isso era uma coisa boa coisa e razão de alegria, dava-se ao fato da má interpretação por parte do povo que passariam a vê-lo como mais um grande profeta fazedor de milagres. (Ricardo Feitosa)

SANTO DO DIA:

Santo Arcádio - Mártir

Fonte: CNBB - Missal Cotidiano (Paulus)
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: https://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...