Pular para o conteúdo principal

Devoção das Sete Dores e Sete Alegrias de São José

Sete dores e sete alegrias de São José é uma das práticas de devoção ao Santo Patriarca, mais de acordo com o Evangelho e que se presta as mais doces meditações.

Sete dores e sete alegrias foram as maiores da vida de S. José. Vejam aí pelos textos Evangélicos:

AS DORES

1ª A perplexidade de S. José diante do Mistério da Encarnação: “José, seu esposo, porque era justo e não queria infama-la, quis abandona-la ocultamente” (Mt I,19).

2ª A angústia da noite de Natal sem achar uma hospedaria em Belém: “Não havia lugar para eles nas hospedarias” (Lc II,7).


3ª A circuncisão dolorosa do Menino Jesus: “Passados oito dias foi circuncidado o menino” (Lc, II,1).

4ªA profecia de Simeão: “Eis que este será posto para ruína de muitos em Israel e como sinal de contradição” (Lc II,34).

5ª A fuga para o Egito: “José, levantando-se, tomou o Menino e sua Mãe, de noite e se retirou para o Egito” (Mt II,14).

6ª O temor de Arqueláu: “Ouvindo que Arqueláu reinava na Judeia, em lugar de seu pai Herodes, temeu ir para lá” (Mt II,22).

7ª Perda de Jesus: “Filho, porque fizeste assim conosco? Eis que teu pai e eu angustiados te procuramos” (Lc II,48).

AS ALEGRIAS

1ª O Anjo revela a Encarnação: “José, Filho de Davi, não temas receber Maria como tua esposa” (Mt I,20).

2ª O nascimento do Salvador: “Maria deu à luz seu Filho primogênito” (Lc II,2).

3ª O nome de Jesus: “José lhe pôs o nome de Jesus“ (Mt I,25).

4ª A salvação anunciada por Simeão: “Eis que este foi posto para ressurreição de muitos em Israel”(Lc II,34).

5ª Caem os ídolos egípcios: “Conheceram ao Senhor naquele dia os egípcios” (Isaias XIX,21).

6ª À volta a Nazaré: “E voltaram à Galileia, à sua cidade de Nazaré” (Lc II,39).

7ª A alegria de encontrar a Jesus no templo: “E depois de três dias o encontraram no templo, sentado em meio dos doutores” (Lc II,46).

A ORIGEM DESTA DEVOÇÃO

Navegavam dois padres franciscanos nas costas de Flandres, quando se levantou uma horrenda tempestade e o navio em que viajavam submergiu com os trezentos passageiros que levava.

A Divina Providência permitiu que se salvassem os dois franciscanos sobre umas taboas nas quais navegaram três dias entre a vida e a morte.

Lembrou-se de S. José, naquelas horas de angústia. Recomendaram-se fervorosamente ao Santo Esposo de Maria.

No mesmo instante aparece-lhes um homem cheio de majestade e bondade, oferece-se para guiá-los sobre as tábuas e os conduz rapidamente a um porto, onde saltaram em terra.

Os dois frades caíram de joelhos aos pés do seu salvador, num agradecimento comovido. - Quem és? Perguntaram-lhe curiosos. - Eu sou José, Esposo de Maria e Pai Putativo de Jesus.

Se quereis agradecer-me e fazer alguma coisa que me seja agradável, não deixeis de rezar cada dia e devotamente sete vezes o Padre-Nosso e sete vezes a Ave-Maria, em memória das sete dores com as quais minha alma foi afligida na terra, e em memória das sete alegrias que consolaram meu coração quando vivi no mundo com Jesus e Maria.

E ditas essas palavras desapareceu. Daí veio a propagação desta prática tão bela de piedade, a mais popular e a mais agradável a S. José.

Essa devoção tão conforme ao Evangelho é uma lembrança dos mistérios adoráveis da Infância de Jesus.

A IGREJA A ENRIQUECEU DE INDULGÊNCIAS

É como que o Rosário de S. José. O que a devoção do Rosário é para Nossa Senhora, assim as Sete Dores e Sete Alegrias para São José.

Não há melhor, prática de devoção em honra de S. José. A sua fórmula já consagrada e enriquecida de indulgências é a seguinte:

As Sete Dores e as Sete Alegrias de São José

Ó Esposo puríssimo de Maria Santíssima, glorioso S. José, assim como foi grande a amargura ou angústia de vosso coração na perplexidade de abandonardes vossa castíssima Esposa, assim foi inexplicável a vossa satisfação, quando pelo Anjo vos foi revelado o soberano mistério da Encarnação.

Por essa vossa dor e por essa vossa alegria, vos rogamos a graça de consolardes, agora e nas extremas dores, a nossa alma, com o gozo de uma boa vida e de uma santa morte, semelhante à vossa entre Jesus e Maria.

Padre Nosso, Ave Maria, Glória ao Padre.

Ó Felicíssimo Patriarca, glorioso São José, que fostes escolhido para o cargo de Pai nutrício do verbo humanado, a dor que sentistes ao verdes nascer em desabrigo e tanta pobreza o Menino Deus, se vos trocou em celeste júbilo, ao escutardes a angélica harmonia e ao verdes a glória daquela brilhantíssima noite.

Por essa vossa dor e por essa vossa alegria, vos suplicamos a graça de nos alcançardes que depois da jornada desta vida, passemos a ouvir os angélicos louvores e a gozar os resplendores da glória celeste.

Padre Nosso, Ave Maria, Glória ao Padre.

Ó obedientíssimo executor das divinas leis, glorioso S. José, o Sangue preciosíssimo, que na circuncisão derramou o Redentor Menino, vos traspassou o coração, mas o nome de Jesus vô-lo reanimou, enchendo-o de contentamento.

Por essa vossa dor e por essa vossa alegria, alcançai-nos que, sendo arrancados de nós todos os vícios nesta vida, com o nome santíssimo de Jesus no coração e na boca, expiremos cheios de Júbilo.

Padre Nosso, Ave Maria, Glória ao Padre.

Ó fidelíssimo Santo, que também tivestes parte nos mistérios de nossa Redenção, glorioso S. José, se a profecia de Simeão, a respeito do que Jesus e Maria tinham que padecer, vos causou mortal angústia, também vos encheu de sumos gozo pela salvação e gloriosa ressurreição, que, como igualmente predisse, teria de resultar para inumeráveis almas.

Por essa vossa dor e por essa vossa alegria, obtende-nos que sejamos do número daqueles que, pelos méritos de Jesus e pela intercessão da Virgem sua Mãe, hão de ressuscitar gloriosamente.

Padre Nosso, Ave Maria, Glória ao Padre.

Ó vigilantíssimo guarda, íntimo familiar do Filho de Deus Encarnado, glorioso S. José, quanto penastes para alimentar e servir o Filho do Altíssimo, particularmente na fuga, que com ele houvestes de fazer para o Egito; mas tal foi também vosso gozo por terdes sempre convosco o mesmo Deus e por verdes cair por terra os ídolos egípcios.

Por essa vossa dor e por essa vossa alegria, alcançai-nos que, expelindo para longe de nos o infernal tirano, especialmente com a fuga das ocasiões perigosas, sejam derribados do nosso coração todos os ídolos de afetos terrenos e que, completamente dedicados no serviço de Jesus e de Maria, para eles exclusivamente vivamos e felizmente morramos.

Padre Nosso, Ave Maria, Glória ao Padre.

Ó Anjo da terra, glorioso S. José, que, cheio de pasmo vistes o Rei do Céu submisso a vossos mandados, se a vossa consolação ao reconduzi-lo do Egito foi turbada pelo temor de Arqueláu, filho de Herodes, todavia, sossegado pelo Anjo, permanecestes alegre em Nazaré, com Jesus e Maria.

Por essa vossa dor e por essa vossa alegria, alcançai-nos que, desocupado o nosso coração de nocivos temores gozemos paz de consciência, vivamos seguros com Jesus e Maria e também entre ele morramos.

Padre Nosso, Ave Maria, Glória ao Padre.

Ó exemplar de toda a santidade, glorioso S. José, vós perdestes sem culpa vossa, o menino para maior angústia, houvestes de buscá-lo três dias, até que, com sumo júbilo, gozastes do que era vossa vida, achando-o no Templo de Jerusalém, entre os doutores.

Por essa vossa dor e por essa vossa alegria, vos suplicamos, com o nosso coração nos lábios, que interponhais o vosso valimento para que nunca suceda perdermos a Jesus por culpa grave;

Mas, se por desgraça O perdermos, com tão intensa dor O procuremos, que O achemos favorável, especialmente em nossa morte, para podermos goza-Lo no céu e lá, convosco cantarmos eternamente Suas Divinas Misericórdias.

Padre Nosso, Ave Maria, Glória ao Padre.

Ant. O mesmo Jesus acaba de entrar em seus trinta anos e todos o tinham por Filho de S. José.

V. Rogai por nós, S. José.

R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos: Ó Deus, que por inefável providencia, vos dignastes escolher o bem-aventurado José para Esposo de Vossa Mãe Santíssima; concedei-nos, nós vô-lo pedimos, que, venerando-o aqui na terra como Protetor, mereçamos tê-lo no Céu como nosso intercessor, vos que viveis e reinais, nos séculos dos Séculos. Amem.

Indulgência de 5 anos cada vez, e plenária nas condições de costume, uma vez por mês, recitando-as diariamente.

Fonte: retirado do livro ”São José” de Mons. Ascânio Brandão - aascj.org.br/
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

DEIXE SEU PEDIDO DE ORAÇÃO

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

Se desejar receber nossas atualizações de uma forma rápida e segura, por favor, faça sua assinatura, é grátis. Acesse nossa pagina: https://ocristaocatolico.blogspot.com.br/ e cadastre seu e-mail para recebimento automático, obrigado.

Comentários

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...